terça-feira, outubro 13

Que sono!!

E esse soninho que me acompanha... Quando eu tinha 16 anos, foi o último ano em que morei na casa dos meus pais. Com exceção do meu irmão mais novo, todos os outros estudavam fora. Eu ia à escola de manhã; meu irmão, de tarde. Morávamos a cerca de 100 metros do colégio. Ele reclamava que, na hora do intervalo, corria em casa para comer um lanche e encontrava, invariavelmente, eu e minha mãe dormindo na sala. Cada uma em um sofá.

Esse hábito de dormir após o almoço me acompanha desde os primórdios. É claro que agora não disponho mais da tarde toda. Pelo menos 15 minutos já me ajudam. Eu até coloco despertador para acordar porque eu apago de fato.

Eu pensava que Morfeu fosse o deus do sono, mas ele é o deus do sonho. O pai de Morfeu, Hipnos, é o deus do sono, na mitologia grega. Eu sou praticamente uma Hipnas porque sofro de uma espécie de sono crônico. O meu estado normal é ter sono.

Sou capaz de dormir no meio de uma festa, haja o barulho que houver. Isso virou piada entre amigos em Brasília. Era muito comum, enquanto a festa rolava solta na casa de alguém, eu dormir no sofá por uns 40 minutos. Aí eu acordava e continuava na festa.

É algo incontrolável. Quando vou para a cama dormir, em menos de um minuto estou em sono profundo. Se eu viajo de ônibus à noite, as primeiras balançadas já me fazem dormir, antes mesmo de o ônibus deixar a cidade.

Se eu estou num bar, numa festa, ou em qualquer reunião social à noite, e o meu sono comparece – aliás, ele nunca falha – eu vou ficando quieta, calada e muda. Os mais chegados começam a rir porque já sabem que não há remédio. Só a cama. Ou melhor, não é preciso cama, não; para dormir, eu só preciso fechar os olhos.

5 comentários:

Eliane disse...

Chego a invejar essa sua capacidade para dormir. Meu sono, com o passar dos anos, parece estar ficando cada vez mais volúvel. Ei! E que bom que postou novamente. Beijo!

José Maschio disse...

Esse sono todo é necessidade de um bom vermífugo, menina.
beijos do Zé

carina paccola disse...

Eliane, vc foi mais generosa do que o Gancho...
beijos

Pô, Gancho, acabou comigo e com meu sono (rs!)
beijos

Fischer disse...

Carina, te conheço há 25 anos e não sabia desse seu talento. Mas não se avexe não: ter sono e dormir bem é uma virtude de poucos, pode acreditar. E garantia de boa saúde.

Claudia Silva disse...

Que bom que voltou a postar, mesmo com sono... E fique tranquila, a "siesta" faz muito bem... Beijo!