quinta-feira, julho 19

Cores da alma

(Imagem) Copyright: Pinto da Silva

Por que será que quando o dia está cinzento e chuvoso, a minha alma também se acinzenta e fica chorosa?

Eu estou desconfiada que isso não é verdade. Que é só uma coincidência. Como hoje eu gostaria de ficar quieta em casa, sob cobertas, sem falar com ninguém, nem ver TV, nem usar computador, eu fico querendo que a explicação seja o tempo. Mas se hoje estivesse ensolarado e o céu azul, quem sabe minha alma ia estar feliz e colorida, ou ainda estaria se comportando como se fizesse um dia de chuva?

Para ter essa resposta, eu teria que anotar num caderno todos os dias as condições climáticas e as condições de minha alma. Mas quando a gente está feliz a gente não está interessada em atribuir motivos à felicidade; e quando a gente está meio aquietada a gente não está com o mínimo de vontade de preencher um caderno com dados técnicos sobre o clima de fora e o de dentro.

Até porque quando a gente fosse ler o resultado geral das anotações, não ia se lembrar direito do estado de espírito. Ia apenas ler: vontade de fazer nada e de ficar quieta. Mas não ia sentir a mesma coisa. E ia pensar por que será que eu estava assim? Ia dar de ombros e achar ótimo que já tenham passado aqueles momentos, sabendo que outros virão. E pensar que se não existe estado perene de felicidade, também não existe estado perene de infelicidade.

A gente insiste em encontrar motivo: ou é falta de grana, ou é falta de alguém, ou é falta de sentido da vida. Mas essas faltas também estão presentes quando está tudo bem.

Portanto, o jeito é esperar a hora de chegar em casa, se enfiar debaixo das cobertas e falar o mínimo necessário até o sol aparecer – de verdade ou apenas na alma.

5 comentários:

célia musilli disse...

Sabe Carina, hj cheguei a escrever sobre o clima e depois desisti de publicar.. talvez seja o inverno sim que me deixa que nem um gato em dia de chuva..tb espero a volta do sol, dentro e fora. depois trocamos confid~encias climáticas..rss beijoss

carina paccola disse...

Célia, precisamos mesmo nos encontrar pra tomar um café quente. Toda vez que acendo o fogão, principalmente nesses dias frios, eu lembro que uma vez vc me disse que é bom acender fogo dentro de casa porque traz bons fluidos.
beijos

Sissi disse...

Carina, que bom que te encontrei por aqui! Queria saber de vc e do Nic e te contar como é o cacimbo(inverno)aqui em Angola! Finalmente vim para África! Beijo pra vc e saudades da minha chefe mais querida...
Sissi

carina paccola disse...

Sissi, que alegria saber de você!! Estou com mtas saudades. Hoje estava olhando minha agenda e pensei bastante em você. Olhe só! E agora leio vc aqui...
Acho que o Rafa ou o Laybs me disse que você estava em Angola. Você não é fraca, não, né? Que bom que conseguiu ir atrás do que queria. Me mande um email (paccola@gmail.com)contando como estão as coisas por aí, o que tem feito. Estou com muitas saudades. Aí te mando minhas notícias no email.
Um grande beijo

Cristiana Soares disse...

Nossa, Carina, acho que esse é um dos melhores textos que vc já escreveu. Lindo demais. Original nos seus detalhes. Adorei!