sexta-feira, abril 9

As pulseirinhas do sexo

(foto de Albari Rosa, Gazeta do Povo)
Está cada vez mais ridícula a proibição do uso das “pulseirinhas do sexo” pelos Poderes Públicos. Primeiro, foi a Vara da Infância de Londrina, depois a Câmara, e agora estão querendo proibir em todo o Estado.

Ah, dá licença e faiz favor, como é que a Justiça pode proibir o uso de um adereço? Quem pode proibir uso de minissaia, pulseiras, piercing e etc. é pai e mãe. Como mãe, eu posso proibir meu filho de usar determinada roupa ou adereço. E não por muito tempo. Apenas enquanto ele estiver sob minha tutela. E escola também pode, sob a justificativa de que determinado objeto causa tumulto ou atrapalha as atividades de ensino. E só.

O pior é que a sociedade concorda com essas imposições. Até porque o significado que se dá às pulseirinhas pode ser transferido para qualquer outro objeto. Os adolescentes podem inventar que agora o significado de cada cor das pulserinhas vale também para as meias. Ou seja, se eu usar meia laranja é porque eu quero uma "dentadinha do amor". E aí? Vamos proibir as meias?

5 comentários:

Aurelio disse...

Calma, Carina
A proibição é só pra criançada, cê pode usar a pulserinha que quiser... hehehe

carina paccola disse...

Querido, eu ainda não estou querendo usar as pulserinhas, não. Eu só acho que quem proíbe criança é pai e mãe.
abs

Anônimo disse...

Ei, colega... Você nã o tem filhA, né? FILHA?

Deve-se proibir sim. Criança precoce é pior que muita coisa ruim que há por aí.

Criança é pra ser criança enquanto pode!

carina paccola disse...

Sr. Anônimo, quem tem filha deve proibir a FILHA. O pai e a mãe devem proibir e não a Justiça. Limite se dá em casa. Tanto para não deixar ver as drogas de programas tipo Xuxa (que estimulam a precocidade) como para não usar determinada roupa nem pulseira.

Anônimo disse...

Enfim, uma opinião lúcida sobre a proibição das pulseirinhas. Esse post merecia ser publicado nos jornais da cidade. No mínimo, ele levantar uma boa polêmica. Valeu Carina.

Tuca