quarta-feira, fevereiro 21

Na quitanda

Depois do feriado, vem o supermercado, pra repor o que está faltando na despensa. Lá fui eu escolher alguns tomates pra fazer molho. Nossa, uma mulher que estava ao meu lado pegava os tomates com tanta determinação e rapidez que comecei a imaginar que ela deve cozinhar super bem. A família toda deve ter comentado o molho que ia surgir daqueles tomates. Ela dizia alguma coisa a uma terceira mulher, que também era rapidinha. Eu nem me dignava a ouvir a conversa. Afinal, eu tinha que melhorar muito a velocidade pra poder ser aceita naquele bate-papo.

Uma vez, em Curitiba, eu e a minha super-amiga-irmã Cristiana (que está fazendo aniversário hoje) fomos a um supermercado e começamos a reparar num cara que estava escolhendo tomates. Parecia que ele observava todos os detalhes de cada tomate antes de colocar na sacolinha. Nós escolhemos os nossos, fomos comprar outras coisas e, quando passamos novamente na banca dos tomates, ele ainda estava lá. Até ficamos com vontade de puxar papo pra elogiar o cuidado com que ele escolhia os frutos vermelhos.

Eu gosto de fazer comentários com donas-de-casa em supermercado. Como eu nunca fui uma dona-de-casa exemplar parece que puxando um papinho eu me sinto mais inserida nesse universo de panelas. Mas nem sempre elas dão trela, né? Uma vez, eu estava escolhendo cebolas e elas estavam horríveis. Havia um homem e uma mulher na mesma banca. E eu comentei: Nossa, essas cebolas estão feias, né? Eles me ignoraram completamente.

As donas-de-casa mais velhas são mais atenciosas. Dá até pra perguntar se o bom é levar a beringela mais dura ou mais mole. Ou então se aquela folhinha verde é rúcula ou agrião. Elas ensinam sempre com a maior boa vontade. E eu nunca aprendo.

4 comentários:

Cristiana Soares disse...

Não é porque fui citada não, eu juro! Mas achei esse texto sensacional!! Carina, na sua melhor forma!! Simplesmente AMEI!!!

Deu até inveja e vontade de escrever um sobre supermercados e tomates no meu blog tb! Mas agora não dá mais... hehehe...

E eu adoro puxar um papo com qualquer pessoa que esteja por perto no supermercado. Falar dos preços, da qualidade dos produtos e perguntar "como se faz"! Heheheheh

Beijo na boca!

carina paccola disse...

Cris, eu também já perguntei como é que se faz. Elas ensinam numa boa. Ah, e uma vez uma mulher estava comprando um produto - agora esqueci o que é - e ela comentou com a moça do supermercado que ela tinha experimentado e que o negócio era gostoso e tal. Eu olhei o que era, mas não levei na hora porque fiquei com vergonha. Dei uma disfarçada e voltei lá pra pegar quando ela já tinha saído. Putz, o que será que era? Mas era bão. Pô, mas se era bom mesmo como é que eu não me lembro mais?!? Ah, e tem outra coisa, eu sempre experimento o que eles oferecem pra degustação. E às vezes eu compro só porque faço uma "amizade" rápida com a moça - se for coisa barata, né?
bjs

Cristiana Soares disse...

Pois o meu maior orgulho foi um dia euzinha dizer "como se faz" para uma senhora que tinha a maior cara de dona-de-casa de verdade. Tudo bem que era uma comida pré-pronta... mas mesmo assim fiquei orgulhosa de mim.

Esse negócio de experimentar... eu tenho a maior raiva. E às vezes quando caio em tentação, depois de experimentar, coloco o produto no carrinho na cara da demonstradora e devolvo na boca do caixa. Hehehe. Anota o truque.

Rodolfo Brandão disse...

Acho que o Brasil deveria acabar com muitos feriados. Uma vez, um cara das Austrália me perguntou por que que nosso país tinha tantas datas comemorativas. Eu não sou explicar, até por que, nem eu até sei o por que de tantos dias de fulga. Bom que todo mundo sabe é legal ficar susegado no seu canto e fugir um pouco da correria.

Uma vez minha mãe me disse que no dia da idependência, devemos todos, sair com lacinhos verde e amarelo, e ir cantar o hino da nossa pátria na praça. depois ao cair na tarde irmos novamente comemorar o que a dada pede. Isto é. Hoje quando se fala em feriado, já vira sinônimo de carnaval, de virar festa do "Baco".

Já o carnaval, é o concretizar dos anseios desse povinho brasileiro.

Obrigado pela atenção...