sábado, agosto 26


Nossas barbeiragens cotidianas!

A garagem do meu prédio é horrível. Todos os carros ficam estacionados em 45 graus e há pouco espaço para manobrar (Introdução para justificar a barbeiragem...).

Pois bem. Segunda-feira de noite estava um frio que era motivo suficiente para ficar em casa. Todos os sensatos moradores do prédio fizeram isso. E deixaram seus carros lá paradinhos, guardadinhos em suas vagas. Eu fui atender gosto de criança que queria ir ao cinema.

Na volta, cansada, com sono e com frio, só notei que não tinha feito todas as contorções e destorções necessárias quando ouvi o barulho da pancada. Não é que tinha um pilar mal-posicionado? Desfiei todo o meu rol de palavrões e fui conferir o estrago. Estava lá na porta traseira o carimbo branco da barbeiragem.

Isso me chateou além da conta. No dia seguinte, enquanto dirigia, parecia que todos os motoristas que cruzavam o meu caminho estavam reparando naquele raspão de tinta branca. Eu era um misto de vergonha e raiva. Como os trajetos que percorro são longos, eu tinha tempo para remoer meus sentimentos. Fiquei matutando, tentando entender por que eu ficava, assim, com tanta vergonha de mostrar pra todo mundo a minha falta de habilidade na direção.

Fiquei pensando que me falta é habilidade para aceitar o erro. Eu imaginava que, com o passar dos anos, a gente lidasse melhor com nossas imperfeições. Mas não! Lá estão elas todos os dias a nos incomodar, a lembrar que temos que nos sujeitar a nós mesmos, aos nossos erros, tão simples e tão nossos!

Ainda bem que na sexta-feira a zeladora lavou a garagem e mandou pro ralo o pozinho branco que circundava o pilar. Junto foi um pouco da minha vergonha.

13 comentários:

Aguinaldo Pavão disse...

um texto belíssimo. simplesmente belíssimo. texto de literata. sério.

Marília Côrtes de Ferraz disse...

Oi Ca. Pode até te faltar habilidade para aceitar teus erros. Mas de modo algum te falta habilidade para escrever tão bem e acertadamente. É um texto tão simples, tão belo e tão teu...!Adorei!
Um beijo.

Karen Debértolis disse...

Muito bem, Carina Paccola,estou gostando disso tudo aqui,beijos

Campo de Força disse...

eu me senti muito à vontade quando li esse seu últiumo texto. a conjugação das palavras foi ótima. beijos. e antes que eu me esqueça, vamos marcar alguma coisa lá em brasília. beijos.

Cristiana Soares disse...

Ótimo! Excelente! Agora sim estou vendo vc nesse texto! Principalmente pela barberagem... hehehe... brincadeirinha. Tenho uma amiga escritora. Lála lá lalá lá...

Anônimo disse...

Oi Cá, estou com saudade! Nem parece q. moramos a dois quarteirões de distância rs rs rs

Uma barberagenzinha na garagem, um pouco de tinta na pilastra... Isso serve pelo menos para uma coisa: soltar os bichos que estavam presos lá dentro da gente, transformá-los todinhos em belíssimos palavrões! Você ainda fez mais: transformou num belo texto para deleite de outros. E você ainda acha que isso não é crescimento, amadurecimento, evolução, aceitação dos próprios erros e coisa e tal?!?!?!

Gde beijo. e até.

Ed.

Fischer disse...

Hahahahaha.
Que ótimo!

Anônimo disse...

Cá, adorei o texto, adorei o blog. "Eu fui atender gosto de criança que queria ir ao cinema", você descreve, para depois contar de como lidamos com os erros. Texto bonito, sensível, texto em que você se expõe com tua honestidade e coragem habituais. Sem rodeios. Direta, como você é.
Beijo grande,
Patricia Zanin

paulo briguet disse...

Oi, Carina. O teu blog está ótimo. Você ficou muito assustada com minhas mudanças ideológicas? Não se espante. Eu continuo o mesmo. Só virei liberal.

Cristiana Soares disse...

Carina, o teu blog tá superbonito, sabia? Essas fotos que vc descolou são muito legais...

carina paccola disse...

caros amigos e amigas, agradeço os elogios e fico feliz por vocês terem gostado do texto.

Paulo, realmente acho que sua mudança ideológica foi bem radical. Mas somos livres, né, para mudarmos o quanto julgarmos necessário. De qualquer modo, você continua escrevendo super bem. O meu comentário no seu blog ficou restrito apenas ao conteúdo, mas o seu texto está primoroso, como sempre.

Karen Debértolis disse...

Carina, tô te recomendando lá no meu blog, dê uma olhadela, beijos

célia musilli disse...

Carinaaaa...vc voltou pra pequena Londres e não disse nada...e eu pensando que vc continuava morando naquela cidade sem esquinas..que nada! vi seu link no blog da Karen Debertólis e vim correndo conferir.. Muito legais os textos do seu cotidiano.. continue nos contando tudo e comentando os acertos e desacertos da nossa cidade. Um grande beijo e, quando puder, pinte tb no Sensível Desafio.